Expoentes da nossa História. O mito Miguel Arraes de Alencar

Por Paulinho Muniz / Dom Pablito

Quinta-feira, 09 de Julho de 2020 07:29
Categoria: História; Curiosidades; Outros


Em 1959, Arraes foi surpreendido por um convite, ou melhor, uma intimação, das lideranças de esquerda de Pernambuco. Deveria ser o candidato a prefeit
Blog do Abelhudo

O mito Miguel Arraes

Aos dezessete anos, Miguel Arraes deixou o Crato, no Ceará, rumo ao Rio de Janeiro, onde foi aprovado no vestibular de direito. Na mesma época, passou num concurso para o extinto IAA, o Instituto do Açúcar e do Álcool. Como era menor de 18 anos, só assumiu depois de fazer um acordo com a Justiça. Por decisão pessoal, transferiu-se para o Recife, onde terminou o curso na Faculdade de Direito da UFPE.

Nascido em 1916 na cidade de Araripe, no Ceará e falecido em 13 de agosto de 2005, Recife, Pernambuco, Miguel Arraes de Alencar vem de uma família tradicional cearense, tendo como parentes José de Alencar, escritor, e Humberto de Alencar Castelo Branco, que foi presidente da República durante o regime militar. Seu pai era comerciante na sua cidade.

Aos dezessete anos, Miguel Arraes deixou o Crato, no Ceará, rumo ao Rio de Janeiro, onde foi aprovado no vestibular de direito. Na mesma época, passou num concurso para o extinto IAA, o Instituto do Açúcar e do Álcool. Como era menor de 18 anos, só assumiu depois de fazer um acordo com a Justiça. Por decisão pessoal, transferiu-se para o Recife, onde terminou o curso na Faculdade de Direito da UFPE.

Na década de quarenta, entrou para a vida pública ao assumir a secretaria da Fazenda, no governo de Barbosa Lima Sobrinho. Cargo que ocupou pela segunda vez na gestão de Cid Sampaio. Nos anos cinqüenta, deu os primeiros flertes com as urnas. Ficou na suplência, mas assumiu uma cadeira, por duas vezes, na Assembléia Legislativa de Pernambuco.

Em 1959, Arraes foi surpreendido por um convite, ou melhor, uma intimação, das lideranças de esquerda de Pernambuco. Deveria ser o candidato a prefeito. “Mas, como, se meus votos são tão pouquinhos?” – ponderou Arraes, com aquele seu jeitão sábio de enxergar a vida. Mas o martelo e a foice já estavam batidos: Miguel Arraes era o candidato a prefeito das forças progressistas da capital.

Eleito prefeito, Arraes fez uma administração que logo ganhou destaque junto à população e lhe forneceu o passaporte para outros vôos, que ele nem sequer imaginava que estivessem em curso. A preocupação com a população urbana e formas de melhorar o acesso das comunidades pobres à cultura e à educação estavam em cima do birô do novo prefeito do Recife. Fez o traçado urbano do bairro da Imbiribeira, construiu a ponte de Limoeiro, as avenidas Sul, Abdias de Carvalho e Conselheiro Aguiar. Concluiu a Avenida Norte e pavimentou com concreto a Avenida Boa Viagem. Obras que até hoje servem à população do Recife. Quando incentivou e apoiou a criação do Movimento de Cultura Popular, o MCP, Arraes mostrou que queria governar para todos. Em apenas dois anos, vinte mil crianças pobres do Recife, que viviam marginalizadas e sem acesso à educação, foram alfabetizadas. Germano Coelho, que mais tarde viria a ser deputado e prefeito de Olinda, foi fundador e primeiro presidente do MCP. O Movimento funcionava no Sítio da Trindade, em Casa Amarela. Jovens e adolescentes pobres tiveram os primeiros contatos com o teatro, a pintura, a poesia. E foi no MCP que o hoje famoso ator José Wilker, que viveu a infância e a adolescência em Olinda, teve os primeiros contatos com a arte. A coordenação do Movimento era do escultor Abelardo da Hora.

O antigo prédio da Prefeitura do Recife ficava na Rua da Aurora, onde hoje funciona o Mamam, Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães. A separá-lo do Palácio do Campo das Princesas, apenas o Rio Capibaribe. E Arraes foi convocado para atravessá-lo. Ficou receoso novamente, mas nada pôde fazer. Abertas as urnas, estava eleito para o que viria a ser o seu primeiro mandato à frente do Palácio do Campo das Princesas.

Miguel Arraes é incluído no Livro dos Heróis da Pátria

-  (Ocupando pela primeira vez o Palácio do Planalto, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, assinará duas leis, uma que modifica o prazo de licença paternidade para militares e a outra que inscreve o nome do ex-governador de Pernambuco Miguel Arraes (1916-2005) no Livro dos Heróis e das Heroínas da Pátria.)

https://www.youtube.com/watch?v=5HLIvVVbdt4

Nas eleições de 1958, Arraes apoiou Cid Sampaio, que sagrou-se vitorioso, enquanto o próprio Arraes não se reelegeu para a Assembleia Legislativa de Pernambuco. Com a chegada de Cid ao governo, Arraes tornou-se secretário da Fazenda e começou a ter seu nome ventilado para disputar a prefeitura do Recife em 1959.

Oficializado como candidato de uma frente política, Arraes acaba vitorioso, conseguindo seu primeiro cargo majoritário, assumindo em 15 de novembro daquele ano. Já no cargo, Arraes iniciou uma série de medidas, como a ampliação do sistema de abastecimento de água e de energia elétrica, bem como a urbanização do bairro de Boa Viagem, pavimentou e iluminou diversas ruas na cidade e instalou uma rede de ônibus elétricos.

Em 1960, Arraes e Cid Sampaio divergiram sobre o pleito presidencial, uma vez que o primeiro apoiou Henrique Teixeira Lott, enquanto Cid optou por Jânio Quadros, que acabou vitorioso. Com a renúncia de Jânio em 1961, Arraes defendeu a posse de João Goulart, que necessitava de uma emenda constitucional para ascender ao cargo.

Ainda em 1961, Arraes se fortaleceu para suceder Cid Sampaio, e com o apoio da Frente do Recife, disputou o governo de Pernambuco tendo Paulo Guerra como vice. Arraes transmitiu o cargo para o vice-prefeito Arthur de Lima Cavalcanti e enfrentou João Cleofas e Armando Monteiro Filho, sagrando-se vitorioso.

Assumindo o governo de Pernambuco em 1963, Miguel Arraes ganhou grande destaque, chegando a ofuscar o então presidente João Goulart, a liderança nacional que Arraes vinha conquistando ameaçava líderes trabalhistas como o próprio Goulart e o então deputado Leonel Brizola.

Em 1964, com a grave crise institucional de João Goulart, o Brasil teve em 31 de março de 1964 a deposição do presidente e instauração do regime militar. Arraes, no mês seguinte, também teve seu mandato cassado pelo regime no dia 10. No dia 15 de abril, Castelo Branco assumiu a presidência da República, enquanto Arraes foi removido para a fortaleza de Santa Cruz, no estado da Guanabara.

Posto em liberdade em 21 de abril de 1965, Arraes foi enquadrado na Lei de Segurança Nacional em 20 de maio do mesmo ano, até que em 25 do mesmo mês exilou-se na embaixada da Argélia, viajando para aquele país em junho. Arraes ficou em Argel até 1979, quando em 15 de setembro voltou ao Brasil em definitivo.

Nas eleições de 1982, já filiado ao PMDB, disputou um mandato de deputado federal, elegendo-se com a maior votação já registrada naquela época. Em 1984 votou a favor da emenda Dante de Oliveira que instituía a volta das eleições diretas, com a proposta derrotada, deu sustentação à candidatura de Tancredo Neves, que sagrou-se vitorioso. Com a impossibilidade de Tancredo assumir por motivos de saúde, Arraes defendeu a posse de José Sarney, pois considerava ser a única opção legítima, fato que ocorreu.

Nas eleições de 1985 para prefeito do Recife, Arraes era vice-presidente nacional do PMDB, e defendia a candidatura de Jarbas Vasconcelos a prefeito, porém a Aliança Democrática entre PMDB e PFL que deu sustentação a Tancredo foi reproduzida no Recife, e então Arraes apoiou a candidatura de Jarbas Vasconcelos pelo PSB, que acabou vitorioso derrotando Sérgio Murilo.

Em 1986 decidiu ser candidato a governador pelo PMDB, tendo como seu vice o então deputado federal Carlos Wilson, pela Frente Popular de Pernambuco, apoiados por PSB, PCB e o PCdoB. Enfrentou José Múcio Monteiro e teve como seus candidatos ao Senado, Antônio Farias e Mansueto de Lavor.

Com a abertura das urnas, Arraes sagrou-se vitorioso com uma diferença de meio milhão de votos sobre Múcio, levando consigo seus dois senadores e derrotando o favorito Roberto Magalhães, que tinha deixado o governo para disputar o Senado.

De volta ao Palácio do Campo das Princesas, Miguel Arraes instituiu uma série de projetos sociais como a eletrificação rural, o programa Chapéu de Palha, Vaca na corda e água na roça, que lhe garantiram enorme popularidade perante a população.

Nas eleições de 1989, Arraes atuou para que o PMDB não lançasse candidatura própria e apoiasse um projeto de centro-esquerda para o país, inclusive defendeu a retirada da candidatura de Ulysses Guimarães. Junto com diversos prefeitos do PMDB, Arraes rompeu com seu partido e considerou apoiar a candidatura de Leonel Brizola, desde que representasse um projeto de mudança do modelo social e econômico do país.

No segundo turno entre Fernando Collor e Luiz Inácio Lula da Silva, Arraes apoiou o segundo, que acabou derrotado. Nas eleições de 1990 teve seu nome cogitado para disputar o Senado, mas preferiu tentar a Câmara dos Deputados, rompendo com o PMDB e filiando-se ao PSB. Jarbas, que esperava o apoio de Arraes na sua chapa, acabou derrotado por Joaquim Francisco.

Com a abertura das urnas, Arraes atingiu 339.197 votos, o equivalente a 10,47% dos votos válidos do estado, sendo novamente o mais votado da história de Pernambuco, levando consigo cinco deputados federais na chapinha que formou. Em 1992, como deputado federal, votou a favor do impeachment de Fernando Collor de Mello.

Arraes tornou-se então presidente nacional do PSB em 1992, sendo reeleito para o posto em 1993 e em 1994 apoiou a candidatura de Lula a presidência da República, em Pernambuco voltou a disputar o governo, sagrando-se vitorioso derrotando Gustavo Krause, candidato do PFL.

Governando Pernambuco pela terceira vez, Miguel Arraes viu Fernando Henrique Cardoso ascender à presidência da República e a situação do seu terceiro governo não seria nada boa. Além da oposição ao governo federal, Arraes se deparou com o escândalo dos precatórios, que foi a emissão de títulos públicos para arrecadar recursos para pagamento de dívidas judiciais. Seu neto, então secretário da Fazenda, Eduardo Campos garantira que a operação era legal e Arraes alegou em sua defesa que o dinheiro obtido serviu para realizar obras em Pernambuco.

Como detinha maioria na Assembleia Legislativa de Pernambuco, Arraes barrou um pedido de CPI apresentado pelo então deputado Paulo Rubem (PT), mas apesar de não avançarem as investigações, Arraes ficou muito desgastado, tanto que cogitou-se a possibilidade de não disputar a reeleição em 1998, que havia sido permitida em 1997. Porém acabou tentando o segundo mandato.

Na disputa, o caso dos Precatórios teve forte presença, o que beneficiou Jarbas Vasconcelos, que acabou vitorioso por uma diferença de mais de um milhão de votos contra Arraes, que no plano nacional apoiou a candidatura de Lula contra Fernando Henrique, que acabou vitorioso.

Quatro anos mais tarde, tentou o mandato de deputado federal, sendo candidato junto com seu neto Eduardo Campos, e sagrou-se vitorioso como o quarto deputado mais votado. Eduardo também foi eleito com uma baixa votação.

Em 2005, Arraes que seguia presidente nacional do PSB, foi internado com suspeita de dengue, ficando por 57 dias até que veio a óbito em 13 de agosto daquele ano. Seu sepultamento no cemitério de Santo Amaro reuniu uma multidão, e trouxe diversos nomes da política nacional.

No ano seguinte, Eduardo Campos, seu neto, que havia sido ministro da Ciência e Tecnologia de Lula, sairia vitorioso ainda com o apelo da sua história como um dos maiores líderes da política pernambucana. A morte de Arraes, aos 88 anos, encerrou uma trajetória vitoriosa de um homem que se transformou num mito, e que para sempre será lembrado por Pernambuco e pelo Brasil como um dos maiores líderes da nossa história.

(*) Fontes: Edmar Lyra - Jornalista e Blogueiro - Publicado originalmente em 26-06 - *Ítalo Rocha Leitão é Jornalista da Rede Globo, publicado originalmente em 17-03.  - Fotos Google


Leia mais Sobre História; Curiosidades; Outros



Comente ou Compartilhe em Sua Rede Social