Homenagem: Mais um ano sem Capiba - Por Leonardo Dantas Silva

Por Paulinho Muniz / Dom Pablito

Quarta-feira, 28 de Outubro de 2020 00:55
Categoria: Crônica, História, Efemérides, Causos e casos


Se vivo fosse, Capiba estaria completando hoje, 116 anos. Durante os dias dedicados ao Carnaval, em tudo a sua imagem encontra-se presente entre nós…
Blog do Abelhudo

MAIS UM ANO SEM CAPIBA....

Por Leonardo Dantas Silva (*)

Se vivo fosse, Capiba estaria completando, hoje, 116 anos.

Durante os dias dedicados ao Carnaval, em tudo a sua imagem encontra-se presente entre nós…

A cidade se apresenta vestida de luzes e com as mesmas cores de mais uma primavera, povoada por gente que passa apressada, na labuta da vida diária…

Os rostos pintados dos dias de carnaval, ressurgem com os seus semblantes tristonhos, desfilando apressados diante de mim, fazendo anunciar a volta do azul da primavera no Recife.

Ao meu lado, no entanto, está faltando Ele…

Está faltando que, que por mais de trinta carnavais foi meu companheiro neste mesmo reino azul da fantasia. Carnavais em que juntos cantávamos, acompanhando a multidão, os seus sucessos:

Cala boca, menino (1966), Oh! Bela (1970), Catirina meu amor (1971), De chapéu de sol aberto (1972), Frevo e ciranda (1973), Juventude dourada (1975), O amigo do rei (1977), Frevo da solidão (1978), Trombone de prata (1979), E eu drumo (1980), A turma da boca livre (1982), Recife, que beleza (1985) e uma infinidade de outros a embalar a nossa alegria.

Foram tantos os carnavais, foram tantas as histórias que se perderam no tempo, que tudo hoje se transforma num amontoado de saudades.

Recordações daqueles tempos felizes e tranquilos, quando só voltávamos para casa com o sol ofuscante a sorrir dos nossos semblantes de foliões assumidos.

Tempos dos Bailes da Saudade, iniciados por mim em 1972, juntamente com Aldo Paes Barreto, e por dezoito vezes repetidos; das gravações na Rozenblit; da primeira Frevioca, por nós inaugurada no Carnaval de 1980; das noitadas no Clube Português; das festas que marcaram os seus 80 anos (1984), com ele desfilando em carro aberto, acompanhado por uma guarda de cavalaria; das eliminatórias do Frevança; dos almoços de todas as semanas e, mais recentemente, dos ensaios do Bloco da Saudade.

Tempos por ele mesmo descritos, pintados que foram com cores fortes e alegres, quando compôs, em 1970, "É hora de frevo" (RCA BBL 1489):

Quem quiser me ver

Me procure aqui mesmo

Quando chega o carnaval

Seja noite ou dia

Aqui tudo é alegria

E alegria não faz mal

É aqui que eu danço

Aqui é que eu canto

Aqui é que eu faço

Com desembaraço

Misérias no passo!

Na quarta-feira

Quando tudo terminar

Eu espero mais um ano,

Até o frevo voltar.

Assim era ele ao irradiar a sua alegria infantil que a todos contagiava.

Ao seu lado a vida parecia nunca ter fim e sua presença seria uma constante até o final de nossa caminhada.

Ao contrário da regra geral, de que nos fala o poeta Carlos Pena Filho, o Recife não foi para ele a cidade ingrata. Muito pelo contrário, era ele festejado em qualquer parte onde estivesse, por velhos e moços e, sobretudo, pelas crianças que por ele tinha um carinho todo especial.

Crianças de hoje, adultos e velhos do amanhã, que por muitas décadas estarão a cantar em seus carnavais os mesmos frevos feitos por ele para embalar a alegria de sua gente, confirmando, assim, a eternidade que ele parecia transmitir.

Nos últimos dias de 1997, Capiba, o meu companheiro de mais de trinta carnavais, começou a ensaiar o seu adeus. E eu que acreditava na sua eternidade senti, no último encontro, o sabor da despedida.

Nesses dias de Carnaval, com a cidade tomada por risos dourados e bocas pintadas a cantar as suas melodias, enchendo de sons os mais tristes recantos, vejo-me vagando pelas ruas, como um órfão perdido no meio dessa multidão, procurando enganar os meus próprios sentimentos.

Na minha solidão, a sua presença… Para o meu consolo, a sua saudade…

E assim sozinho, com o rosto tomado pelas lágrimas, lá me vou sem destino, cantando baixinho os versos que ele me ensinou:

Vivo nas ruas cantando

Um canto que me convém

Para fugir da tristeza

E da saudade também

Se estou certo ou errado

Alguém me há de dizer

Fujo talvez da saudade

Saudade que vem de você…

(*)  Autor/Fonte: Leonardo Dantas Silva Filho é jornalista, pesquisador e historiador. O presente texto foi publicado, originalmente, na sua página no Facebook.


Leia mais Sobre Crônica, História, Efemérides, Causos e casos



Comente ou Compartilhe em Sua Rede Social