A poesia de Margarida Maciel - Galope do Tempo

Por Paulinho Muniz / Dom Pablito

Sexta-feira, 26 de Fevereiro de 2021 06:57
Categoria: Movimento Cultural - Cultura, Eventos e festas


A Tinta fresca dos cabelos - Arrancada - Manchadas pelos dedos - acariciantes - dos vendavais
Blog do Abelhudo

GALOPE DO TEMPO

 

ESTOU INDO

DEIXO-ME LEVAR PELO GALOPE DO TEMPO

SENTINDO O VENTO

E O BEIJO MORNO DOS ANOS

QUE DE TANTOS E POR TANTOS

CAUSAM RUGAS

FINAS, LARGAS, GROSSAS,

RUGAS INUNDAS

A TINTA FRESCA DOS CABELOS

ARRANCADA

MANCHADAS PELOS DEDOS

ACARICIANTES

DOS VENDAVAIS

QUE EM CORAIS

ME ALISAM E PISAM

SEM MEDIR CONSEQUENCIAS

INVADEM DO CORPO ÀS FORMAS

EM DOIDAS REFORMAS

QUE ESTUPIDEZ OLHAR AS SOMBRAS

QUE ENVOLVENTES

ME TURVAM E ME EMBARCAM

NOS BRAÇOS E ABRAÇOS DO DESTINO

SE AINDA ME ANIMO AO SENTIR

O CÁLIDO CALOR DO AMOR

DO PRAZER AO VÊ-LO BRILHAR EM CHAMA

QUE ME INFLAMA

ÓH! DESEJO ARDENTE, TÃO PRESENTE

DE EMBALAR NOVAMENTE O DIA, TODO DIA...

ABRINDO A CORTINA A JANELA DO QUARTO

E DA VIDA

O ALVORECER

O REJUVENESCER DOS SONHOS

E, APAGADOS OS MEDOS

CONTINUAR NO GALOPE

RUMANDO PARA O INFINITO

SEM NADA PROCURAR ENTENDER

E ASSIM, VIVER

SIMPLESMENTE VIVER.

(*) Autora: Margarida Maciel Ramalho - Pesqueirense, é professora,  poetisa, compositora e cantora. Integrante do Conjunto O Uirapuru; é acadêmica da APLA e membro de associações literárias. É emérita colaboradora do Blog Oabelhudo. A poesia foi publicada originalmente no Jornal PequeiraNotícias, edicação de fevereiro.


Leia mais Sobre Movimento Cultural - Cultura, Eventos e festas



Comente ou Compartilhe em Sua Rede Social