Paulo Guedes ameaça não pagar servidores em 2022

Por Paulinho Muniz / Dom Pablito

Quinta-feira, 19 de Agosto de 2021 11:01
Categoria: Economia e Negócios


Proposta de Emenda Constitucional - PEC - permitindo que o governo deixe de pagar precatórios parcelando a dívida em 10 anos.
Blog do Abelhudo

Paulo Guedes ameaça não pagar servidores em 2022

O PT ainda comemorava a reeleição da presidente Dilma Rousseff, quando, no começou de abril de 2015, o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante fez um desabafo que passou para a história.

“Fomos longe demais nas desonerações fiscais, o grande tema hoje para a retomada do crescimento é o ajuste fiscal.”

Dilma tinha aberto mão de uma série de impostos, meses antes das eleições de 2014, concedendo desonerações para setores que não pediram e nem precisavam.

Ela já tinha editado uma lei que desorganizou o sistema elétrico brasileiro que até hoje se recente disso. Ela praticamente paralisou a construção de novas usinas hidráulicas turbinando os incentivos as usinas eólicas. Numa de suas celebres entrevistas ela disse que havia chegado a hora de o Brasil passar a “estocar ventos”.

O resultado dessas decisões voltou a ser lembrado esta semana por vários economistas impactados com a pressão do governo Bolsonaro em aprovar um pacote de leis que visam dar folga no Orçamento Geral da União, inclusive propondo a aprovação de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) permitindo que o governo deixe de pagar precatórios parcelando a dívida em 10 anos.

Nesta quinta-feira, o ministro da Economia, Paulo Guedes, aumentou a pressão afirmando que sem a PEC dos Precatórios podem não ter dinheiro para pagar salários de servidores federais. E a justificativa é ter dinheiro para pagara o Auxilio Brasil, prometido por Jair Bolsonaro.

Conversa. A União tem como pagar as 13 parcelas da rubrica salários em 2022 e já provisionou a despesa. Mas para pagar o Auxilio Brasil, Guedes terá que arrancar do Congresso sua PEC tentando corrigir um problema que sua equipe não administrou no começo do ano quando são definidos os valores a serem pagos como precatórios no ano seguinte.

Numa outra frente, o ministro está pedindo a Advocacia-Geral da União (AGU) que peça ao Supremo Tribunal Federal (STF) que suspenda a ordem dada à União para pagar dívidas judiciais com Estados relativas a repasses do Fundef, fundo para o desenvolvimento do ensino fundamental e valorização do magistério que vigorou até 2006.

O Governo tenta assim conseguir que o presidente do STF, Luiz Fux, que abra uma conciliação sobre o tema, cuja equipe de Paulo Guedes esnobou até junho.

Foi essa atitude que fez o STF mandar pagar três ações, movidas por Pernambuco, Ceará e Amazonas. Ao todo, o pedido alcançará R$ 15,6 bilhões em precatórios previstos no Orçamento do ano que vem.

Mas a coisa é mais séria . Existe uma outra ação movida pelo Estado da Bahia, que tem R$ 8,767 bilhões a receber do governo federal em 2022.

O problema é que Paulo Guedes está se comportando na Economia como o presidente Jair Bolsonaro se comporta na política. Ele próprio foi ao ministro Gilmar Mendes pedir arreglo. Mendes foi curto e grosso: Agora é tarde ministro.

Guedes saiu do gabinete e anunciou o projeto da PEC sem articular com ninguém. Com a repercussão negativa ele passou a dizer que se pagasse os precatórios incorreria em crime de responsabilidade fiscal.

Nesta quarta-feira ele saiu com nova chantagem agora sobre salários e até vacinas.

O problema é que a performance do ministro tem custo financeiro. Os juros do Brasil de 10 anos explodiram para próximos de 10%.

Enquanto Guedes toca o tambor. O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, avisa que as incertezas internacionais estão maiores em relação ao Brasil, acrescentado que existe um aumento do ruído da parte institucional de como o Brasil funciona, a briga entre os Poderes.

A diferença é que ele não falava, como Paulo Guedes, para deputados da base aliada. Estava falando para o Council of the Americas, preocupado em saber dos projetos enviados pelo governo ao Congresso, como o novo Bolsa Família, que o mercado tem associado com as eleições do próximo ano.

Roberto Campos Neto tem hoje no Governo, e fora dele, aos menos 10 vezes mais prestígio que Paulo Guedes. Quando ele fala todo mundo ouve.

E não foi por acaso que também hoje um outro Ex-presidente do Banco Central, Affonso Celso Pastore disse numa entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo que diz que está "comprada" uma desaceleração do crescimento do PIB de 2002 defendo a ação do BC para barrar o descontrole da inflação.

Pastore que é conhecido por suas tiradas sobre temas econômicos criou mais uma: Acabou a euforia da “Faria Lima e o “O empresariado acordou.”

Ele se referia a uma imagem que os jornalistas criaram sobre o principal centro financeiro da capital paulista.

Banqueiros são homens muito sérios e cuidadosos em suas entrevistas. E não costumam se queixar em publico se não em situações críticas.

Há duas semanas vários deles passaram a reclamar do comportamento do presidente Jair Bolsonaro a ponto de publicar uma carta afirmando que vai haver eleições em 2022.

Foi na semana em que Paulo Guedes abriu mais uma de suas guerras com o capital. Ao defender a taxação de dividendos aos mais ricos e considerando “inadmissível” que bilionários paguem zero nessa rubrica enquanto assalariados sentem o maior peso dos impostos o ministro bradou.

"Nós estamos botando o pé na porta e abrindo a porta, (estamos) falando ‘olha, vamos cobrar já 20%’. Ali no futuro gradualmente nós vamos unificar isso tudo e ele vai entrar no progressivo.”

Mais uma bravata. Na ultima terça-feira o presidente da Câmara Artur Lira concordou em adiar a votação da reforma proposta por Paulo Guedes sobre o Imposto de Renda, por ver que ela seria rejeitada.

Mas Paulo Guedes vai continuar tocando o tambor. O problema é se, no futuro ele vir a repetir a frase de Aloisio Mercadante no governo Dilma.

 Autor/Fonte: Fernando Castilho - Jornalista e colunista do JC Negócios

 


Leia mais Sobre Economia e Negócios



Comente ou Compartilhe em Sua Rede Social